Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

Um texto do passado

por Jorge, em 25.02.04

Andava aqui em casa a arrumar alguns papéis quando encontrei os meus antigos blocos de notas. Encontrei textos engraçados, algumas ideias apenas esboçadas que espero agora dar-lhes mais consistência e continuidade. Hoje vou deixar aqui uma amostra do que escrevia aos 18 anos, este texto tinha o título "Rituais de iniciação às práticas sociais". Eu gostei muito de o reler:


"1. Ritual do cartão Multibanco: Nunca preenchi tantos impressos na minha vida, a tinta da minha caneta escorria a uma velocidade alucinantemenete assustadora. Com muito esforço completei o requerimento do cartão Multibanco (A arte de manejar o plástico levada ao limite).


Para quem andou a dormir na última década, o cartão Multibanco serve para tudo desde palitar os dentes, passando pelo facto de que nos faz parecer muito evoluídos e, terminando, no milagre de nos permitir ter acesso ao nosso dinheiro em locais que nunca nos passaram pela cabeça (entramos num supermercado e em vez de gastarmos dinheiro podemos receber).


Após aquela papelada, esperei duas semanas e recebi uma carta do banco. Tinha quatro dígitos e era o código secreto (uma daquelas coisas que só nós sabemos e que nos torna únicos). Apeteceu-me chorar o meu primeiro código secreto (logo após as dezenas de passwords do meu PC), uma daquelas coisas que vamos contar aos nossos netos.


Fui buscá-lo ao banco, a senhora que mo entregou disse: - Muito bem, agora o menino já tem um cartão como os grandes (eu recebi o meu cartão com 18 anos, e como se aquele bocado de plástico me injectasse uma boa dose de maturidade se assim fosse o mundo era um local melhor).


Aos olhos da sociedade eu sou um deles, pois já sou maior de idade (quase que me consideram adulto) e tenho cartão Multibanco (quase que me tratam como semelhante). Mas eu não faço parte da hipocrisia.


2. O ritual do recenseamento militar. Os indivíduos nascidos no ano 1981, devem apresentar-se no centro de recenseamento no ano em que completarem os 18 anos. A fim de cumprirem o Serviço Militar Obrigatório. Eu estava tramado. A fuga parecia impossível, já sentia a respiração ofegante da Polícia Militar (Deixem-me em paz! Não me toquem!).


Após o recenseamento militar, recebi a caderneta militar e a oportunidade de pedir adiamento por motivos pedagógicos. - Quer pedir adiamento por quanto tempo? - Senti esperança ao ouvir esta questão. - Por 50 ou 60 anos. - Disse sinceramente. O meu pedido foi considerado inválido, cederam-me um ano. A única saída reside na possibilidade de entrar na Universidade ou grande será a ascensão da Sombra."


Felizmente no ano seguinte lá estava eu na faculdade e até hoje continuo com o adiamento :) Ao reler isto percebi que já aqui demonstrava a minha paixão pela análise de rituais e a minha vontade de não passar uma férias pelo serviço militar (sabem, nunca gostei muito de receber ordens). :D

15 comentários

Comentar post

Pág. 1/2