Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

Que os sonhos de 2005 se apresentem…

por Jorge, em 31.12.04
Quando os teus olhos se abriram, sentiste que alguma coisa tinha ficado em redor deles. Uns misteriosos grãos amarelados: a areia dos sonhos! Aos anos que não a vias, uma redescoberta no final de mais um ano de sonhos. Um Bom presságio…

su_01.jpg


O ano que hoje termina não foi propriamente o sonho que desejaste, mas agora que um novo se prepara para iniciar, tens a sensação que tudo parece possível.


E é mesmo assim, a cada novo dia podemos sempre tornar os nossos sonhos reais, como temos tendência para o esquecer o melhor é aproveitar o dia de hoje para relembrarmos.


Bons sonhos e até 2005.


Jorge


Imagem retirada de “The Sandman: Midnight Theatre”  (DC Comics). 

Um post no meu dia

por Jorge, em 30.12.04
Tentei escrever com um sorriso, a sério, mas não deu. Aborreci-me com a pilha de trabalho e com a minha ineficácia em lidar com ela. Depois aborreci-me com o meu aborrecimento. E assim fiquei...
As horas foram passando, revisitei o meu blog umas quantas vezes, pensei em actualizá-lo, batráquio não deixou. Farto de tentar, desisti do post.
Como estão a ler neste momento já se aperceberam que a desistência não foi definitiva.
O ano está a terminar de uma forma demasiada apressada para o meu gosto, e com este rápido avançar os prazos que tenho de cumprir correm para os meus braços...

Texto: Jorge Amorim

A Lenda volta aos meus dias

por Jorge, em 23.12.04

As férias trouxeram um agradável sabor aos meus dias, apesar do trabalho pendente. Encontro-me limitado a caminhar por alguns percursos urbanos devido às minhas actuais obrigações. Interiormente tenho estado a precisar de fazer uma viagem das grandes, aquelas das quais voltamos muito diferentes.


Ontem, já na hora de me deitar, decidi percorrer a minha estante em busca de um livro para ler antes de adormecer (hábito que adquiri desde que aprendi a ler). Olhei para um título específico, hesitei e por fim rendi-me à evidência que era exactamente o que estava a precisar.


Refiro-me ao “O Senhor dos Anéis”, livro que marcou o início da minha adolescência. Por esta altura, graça aos filmes, a sua história não precisa de apresentações.


 


howe-mithrandir.jpg


.


Estou a ler numa edição num só volume em inglês, e a um ritmo muito mais calmo do que na primeira vez que o fiz (agora já não tenho pressa de chegar ao fim para saber como vai acabar). Cada momento do livro é vivido com muita intensidade e reflexão, o que é mais engraçado é que voltar a esta leitura depois de tantos anos parece-me como um reencontro com velhos amigos.


Fica então a notícia que vou chegar a 2005, no meio de uma enorme jornada para levar o anel ao Monte da Condenação e regressar. Vou muito bem acompanhado, com toda a Irmandade do Anel, alguns pormenores dessa aventura vão ser aqui contadas no seu devido tempo.


Desde já vos digo que esta jornada imaginária pela Terra Média, promoveu-me um amanhecer com um sorriso nos lábios.


Texto: Jorge Amorim

O Regresso da Raposa

por Jorge, em 21.12.04

Vocês já ouviram falar dela, regressa hoje às letras deste blog. Quatro anos e meio de namoro têm que ser festejados no blog, quero que os seus olhinhos verdes se surpreendam nesta página: Não me esqueci da data! (aliás nunca me esqueci) 


fire_fox.jpg



Infelizmente hoje não vou poder estar junto da Raposa mais fantástica do Universo. Que este post lhe leve a mensagem que não está esquecida.


Fica aqui a proposta de um encontro nos nossos Sonhos, e um enorme Beijo hiper-especial.


Adoro-te, Raposa!


texto: Jorge Amorim

Post Ranhoso

por Jorge, em 20.12.04

Este post diferencia-se por ser escrito ao som do meu fungar constante, fui "constipatizado" (palavra inventada neste momento). Sempre que fico constipado o meu mau humor vem ao de cima, para piorar hoje decidi que tinha que fazer uma compra de Natal.


picture021.jpg



A Fnac do Chiado estava um inferno, cheia de pessoas, um calor doentio, um basqueiro irritante. Saí de lá sem a compra, sem ver o que queria. Achei então que andar a pé seria bom, mas aqueles tipos dos questionários são uma praga na Baixa Lisboeta.


Felizmente estive acompanhado pela minha amada Raposa, que me aturou dedicadamente, e transformou o meu humor.


Cheguei a casa, jantei e pensei: "Tenho que colocar um post, não gosto de ver o Sonhos Urbanos abandonado". E assim o fiz...


Abraço.  Jorge Amorim

Escrever pela noite fora

por Jorge, em 15.12.04

Noite após noite cá venho colocar um post. Durante o dia passo para ver se há comentários. Visito outros blogs e comento.


Estou na fase em que tenho mais trabalhos para realizar, e tento visitar diariamente este espaço que se tornou tão especial para mim.


Deixar as teclas serem pressionadas de forma livre, também me deixa mais livre. Assim que parar de escrever aqui, vou deitar-me e sonhar. De alguma forma acredito que é este momento em que escrevo, antes do sonho começar, que transforma o meu amanhecer.


Sabem porquê? É que aqui partilho as minhas ideias com pessoas, mesmo sem saber quem as lê. É libertador, deixo de ser um cofre fechado de ideias.


E ao ler e responder aos comentários, essa partilha deixa de ser só numa direcção.


Volto a dizer: Arranja um blog (se não tens), e faz com que ele seja um espaço livre das tuas ideias, sem censura. Deixa os teus dedos teclarem livremente... E quem já tem blog, como se sente em relação a isso?


Por hoje é tudo, estou um pouco cansado (mas amanhã já acordo mais energético).


Bons Sonhos!


Jorge Amorim


 

Opostos

por Jorge, em 14.12.04

"(...) TIGER, tiger, burning bright In the forests of the night,


What immortal hand or eye


Could frame thy fearful symmetry?"


Tiger, William Blake


 Disseram-te que eras único, contaram-te os mais belos contos sobre almas gémeas, histórias de espada e honra, e assim edificaste a tua mitologia interior.


Tenho uma dúvida: contaram-te sobre o teu oposto?


opostos.jpg


  Há rivalidades para a vida, um combate até à morte que não poderá terminar de outra forma.


No dia em que iniciaste a tua viagem na Terra sabias a um nível interno que era para te cruzares com um ser que seria o teu oposto, mas com o qual terias uma terrível simetria.


Vocês estão unidos por um princípio algo perverso, uma semelhança doentia que vos faz querer desfazerem-se. Como se ambos quisessem ocupar o mesmo espaço existencial.


Sentes o teu sangue a ferver quando vês o teu oposto, porque vês o reflexo distorcido que ele é de ti, e tu dele.


Abocanha-o e com as tuas presas rasga-o, se lhe deres tempo ele vai consumir-te. Não queres isso, pois não?


Sentes o teu coração como um tambor de guerra, tu ou ele? Quem vai sair daquele momento como vencedor?


Quando alguém sugere que podes resolver o conflito de forma pacífica, sabes que essa pessoa o está a proteger a ele. Porque tu queres sangue, tens sede... Acima de tudo, queres sobreviver. Nenhuma cópia destorcida ocupará o teu lugar, no mínimo haverá confronto. 


Descansa que não te vou dizer para morreres. Estás a um passo da glória, trespassa-lhe o coração e deseja-lhe boas festas. 


É um dos teus grandes desafios, vai-te a ele! Agora sim, reparei no fogo que se acendeu no teu olhar! Que ganhe o melhor.


Texto: Jorge

Mestre De Rose em entrevista

por Jorge, em 13.12.04

Ontem na Notícias Magazine (suplemento do Jornal de Notícias e do Diário de Notícias) foi apresentada uma entrevista ao Mestre de Rose, recomendo vivamente a sua leitura. Deixo aqui um excerto que gostei particularmente e que se adapta à linha de textos do Sonhos Urbanos.


 


mytree.jpg



“É mais cómodo ser vítima… Para além do mais, pensando assim, não precisamos de mudar o nosso comportamento, nós não precisamos de melhorar, porque afinal não foi nossa responsabilidade. Mudar paradigmas é muito difícil, então há pessoas que têm dificuldades de relacionamento e justificam-se com o destino – está escrito, é a vontade de Deus. Porque não querem mudar, é mais trabalhoso, e nem sempre é agradável reconhecer que somos nós e não os outros que não estão a agir bem.”


Mestre de Rose, In Notícias magazine, 655, pág. 36


Se não nos colocamos como parte do problema é muito difícil perceber a nossa responsabilidade na solução.


Digo isto por experiência própria, quando estou a patinar com alguma questão que não consigo resolver, sei que é altura de ver em que posição é que me estou a colocar e BINGO… Lá estou eu a colocar-me exteriormente à causa do problema, esses é são os momentos de “atadice mental” (acto de ficar um atadinho na vida).


Só quando mudo essa postura é que as coisas mudam.


texto: Jorge

Uma nova semana para desenhar...

por Jorge, em 12.12.04

"How do you pick up the threads of an old life? How do you go on, when in your heart, you begin to understand, there is no going back? There are some things that time cannot mend. Some hurts that go too deep…that have taken hold."


Frodo, In "The Return of the King"


estrada_sonhos.jpg



Quando percebi que estava um pouco mais acomodado que o habitual, e as consequências negativas disso na minha vida, escolhi mudar alguns comportamentos. Os estudos foram colocados em pause, e decidi sorrir para o mundo que se apresentava à minha janela.


Começa uma nova semana, e hoje (sem motivos especiais aparentes) vejo-a como uma folha em branco na qual posso fazer o que achar mais apropriado. Na folha desenhei uma estrada, em nome dos dias em que andava com o Kerouac pela estrada fora, regressou a vontade de correr para o horizonte, de escrever, de faltar às aulas, de passear à chuva e de mais uma enchente de coisas.


Já peguei na mochila, engraxei as botas, preparei os mantimentos e amanhã ao nascer do Sol lá vou por essa estrada que desenhei (e que continuarei a desenhar).


texto: Jorge

Repensar os Sonhos que sonhei...

por Jorge, em 09.12.04

Descanso depois do 1º aniversário do blog, uns diazitos sem posts. Há alturas em que preciso repensar o que tenho escrito para poder dar algo novo a este espaço.


chagal.jpg



Clique de rato a clique de rato, revisitei os arquivos deste blog.


Foi bom encontrar-me nessas palavras que fui deixando, tal como palavras desenhadas na areia estavam meias pagadas na minha memória.


Estou um pouquito mais velho, com novas vivências, mudaram algumas coisas nos meus dias... Há, no entanto, que reforçar que o Sonhador está vivo!!!!


E quantos sonhadores estão por aí? Engraçado que por escrever este blog consegui conhecer pessoas que sonham, isso foi o grande benefício de o escrever... Tenho uma grande motivação para continuar a teclar sobre os sonhos de um rapaz que vive num mundo urbano, e por vezes de uma cidade que sonha a vida de um rapaz.


Antes de terminar por hoje, quero deixar aqui um desafio (vou aproveitar que está uma boa noite para desafios).


Pensem em qual foi os sonhos que arrumaram nas vossas gavetas e que estão cheios(as) de vontade de os tirar de lá. :)


Bons Sonhos.


O Vosso Amigo dos Blogs.


Jorge Amorim