Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

Bem rápido...

por Jorge, em 31.08.05
Tudo se move demasiado rápido quando quero o contrário, aqui estou na famosa véspera, bem animado por sinal... relatório quase quase pronto!

(Hoje não há sono, nem fio de baba)

Aqui vou eu para a volta final...

Jorge

Zzzzzz

por Jorge, em 30.08.05
Preciso de uma almofada... já agora uma cama macia... descansar.....

(fio de baba a escorrer...)

Jorge

Recarregar Energias

por Jorge, em 28.08.05
“Esperança é um sonho acordado”
Aristóteles

Acordei o Sol adormecido dentro de mim, e com a energia de uma estrela cumprirei os meus objectivos. Parecem distantes, quase impossíveis. Por mim, podem parecer o que quiserem pois não irei desistir.





Quando a escuridão se torna muito grande nos nossos dias, o melhor a fazer é aumentar a nossa luz e iluminar tudo o que pudermos.

Jorge

Demónios no Deserto

por Jorge, em 25.08.05
“Se queres ser alguém que busca honestamente a verdade, é necessário que pelo menos uma vez na vida duvides, quanto for possível, de todas as coisas”
Descartes


A nossa memória comum conhece o significado de caminhar até um deserto e encontrar demónios, parece que está gravado nas nossas células. Sabemos que eles vão parecer e não ficaremos realmente sozinhos nem em silêncio. Chamar-nos-ão nomes, e gozarão com coisas que pensávamos que ninguém sabia.






Mas não é bem assim que se passa, porque na verdade quando vamos para o deserto não está lá ninguém a dizer nada. O que se passa é que sozinhos temos de estar connosco e se estamos habituados a fugir da própria sombra e a viver sem sentido, este confronto pode ser ameaçador.

Claro que a nossa memória comum, diz aquilo que sempre soubemos. Aqueles que não têm medo de se enfrentar a si mesmo enfrentam os demónios de queixo erguido e aprendem com o confronto sem serem dominados. Quando recordamos isto sentimos a nossa força a aumentar e saímos mais sábios, sempre com vontade de poder voltar ao deserto.

Jorge
(Obrigado pela foto, Inês!)

Como percebo...

por Jorge, em 25.08.05
O autor Neil Gaiman ao ouvir uma versão aúdio do seu livro, Anansi Boys, diz ter pensado "How did I let a sentence like that get out? And now it is too late to rewrite it. Argh.".

Percebo exactamente o que ele quer dizer... ;)

Jorge

(fonte: http://www.neilgaiman.com/journal/journal.asp)

As outras actividades

por Jorge, em 24.08.05
Decidi escrever este post, quando de manhã li num dos comentários "a que outras actividades te entregas tu com a mesma dedicação com que te entregas aquilo que escreves" (Diamanda). Pensei: Talvez seja bom escrever um post que me apresente melhor a quem visita este espaço.

A pergunta é difícil porque sou uma daquelas pessoas "voláteis" que se dedica com muito afinco a uma actividade durante um espaço de tempo e, em seguida, salto para outra diferente e passa essa a ser a que merece toda a atenção. Por isso vou tentar centrar-me no momento actual.

Até dia 01 de Setembro grande parte da minha atenção está na redacção da minha monografia e no meu relatório de estágio, por motivos académicos. Por isso o meu leque de actividades está um pouco mais reduzido que o normal (o que se deve notar na minha produção neste blog).

Algumas horas do meu dia são passadas a sonhar acordado e a divagar por entre os meus pensamentos. Pensar é uma dádiva.

Regularmente dedico muito do meu tempo a ler e a escrever (coisas que não coloco em blogs e que são os meus projectos literários futuros). Sempre que posso efectuo grandes caminhadas, de preferência por zonas verdes dada a minha paixão por árvores (e pássaros, obviamente).

Dou grande valor e dedicação a conversar com pessoas de quem gosto e a momentos de lazer. Sou apaixonado por aprender coisas novas, ouvir música e fazer teatro (algo que infelizmente parei, mas a que espero voltar nos próximos anos).

Espero que sirva como uma breve apresentação a todos os que não me conhecem.

Jorge
(Post escrito a comer Cérelac para contrariar o crescimento galopante da "adultice")

Reforma da Saúde Pública / Audição Pública

por Jorge, em 23.08.05
Recebi esta informação da newsletter da direcção geral de saúde e achei que poderia ser de interesse divulgá-la.

A partir desta data e até 15 de Setembro, está disponível no site da Direcção-Geral da Saúde (www.dgsaude.pt) o documento intitulado "Um Novo Paradigma para a Saúde Pública", para audição pública.

Todos os contributos deverão ser enviados para o seguinte endereço:
rssp@dgsaude.min-saude.pt.

Incompreensão

por Jorge, em 23.08.05
“Uma criança de cinco anos compreenderia isto. Tragam-me uma criança de cinco anos!”
Groucho Marx

Lembro-me de ao ler o Principezinho notar o destaque de algo que me parecia óbvio, os adultos nunca percebem nada, tem que se explicar tudo. Os anos lá se passaram e fui confirmando essa triste verdade. Quando a idade adulta se aproximou, estremeci com receio, ponderei transformar-me num Peter Pan e voar para a Terra do Nunca.

Acabei por me deixar crescer… Mas com algum cuidado para não cair nas malhas da “adultice”. E as coisas até têm corrido bem, apesar do número de pessoas a quem precisamos de explicar tudo continua a aumentar drasticamente.

Jorge

Produção de Conhecimento em Portugal

por Jorge, em 22.08.05
O número de artigos científico produzidos em Portugal está a aumentar, notícia da TSF em 25 de Julho de 2005. A Universidade de Aveiro lidera o top de quem mais coloca artigos científicos em publicações estrangeiras.

Fala-se muitas vezes da "produção Nacional", ora bem que seja a diversos níveis. A investigação científica em Portugal é uma área em crescimento e devemos todos ficar satisfeitos por participarmos na produção de conhecimento. Temos cá muitas pessoas interessadas em desenvolver projectos de investigação, e desejo que façam os seus trabalhos e que os divulguem (tanto a nível nacional como internacional).

Sabemos que há áreas e tipos de investigação que exigem recursos dispendiosos, mas nem todas as áreas o exigem. Por isso fica o desafio, investiguem e divulguem (em várias línguas).

E já que estou bem disposto, vou alargar o desafio. Independentemente da vossa área profissional ou dos vossos interesses, tornem tudo o que façam em algo com muita qualidade.

Jorge

Conspiração do Pessimismo

por Jorge, em 22.08.05
Reparei atentamente no fenómeno e nos dias que se seguiram tive a oportunidade de confirmar. Ficar em frente a um televisor e ver um telejornal de uma ponta a outra pode ser um indutor de pessimismo.

As notícias, em geral, são sobre acidentes ou catástrofes naturais. Se aconteceram acho que devem ser relatadas, o problema não é esse. A grande questão é a forma como são aprofundadas, onde muitas vezes se perde a noção de enquadramento da notícia e se passa para uma exploração da desgraça em causa.

Fica uma nota muito positiva, também tive a oportunidade de assistir (menores em quantidade) a reportagens informativas (sem posições sensacionalistas que condicionam opiniões) com enquadramento de referência (ou seja, a explicar um pouco o que levou ao acontecimento e quais as implicações).

Algumas pessoas podem acreditar que o telejornal dá informações que nos permite ver o estado do Mundo, a mim parece-me que mostra aquilo que poderá atrair o telespectador (e se ele gosta de telenovelas e drama porque não dar-lhe mais um pouco).

Como a enorme quantidade de informação que nos chega não é nada filtrada, o ideal seria sustentarmos a informação que nos interessa com pesquisa, nem sempre temos tempo para isso ou disponibilidade. Se ficarmos pelo "fast food" da informação corremos o risco de assumirmos posições não fundamentadas, a nível nacional o risco é de que uma parte da população seja cruelmente manipulada diariamente com o acrescento do que daí pode surgir.

Jorge

Pág. 1/2