Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

Wraur

por Jorge, em 24.08.11

Na terra dos sonhos, onde reina a imaginação, todos podemos fazer o que quisermos.

Alguns perdem-se por lá, outros regressam e fingem que foi apenas uma noite com associações de ideias.

Mas ainda há outros que voltam e recordam-se de tudo (ou quase) e fazem opções na sua vida com toda a imaginação.

 

Revolução I

por Jorge, em 23.08.11

 

 

 

 

 

foto retirada de: http://1.bp.blogspot.com/_8Zx-_VFBekM/SaM1-uiZA6I/AAAAAAAAAAM/eQzcLkmZ0D8/s1600-R/revolution1024x768.jpg

 

Divisão

por Jorge, em 19.08.11

Ouvimos muitas histórias sobre vidas, tal e qual como as nossas... só que com pormenores que mudam tudo e nos colocam a Universos de distância. Alguns de nós, preocupam-se em utilizar canais de comunicação e aproximar estes distantes universos. Fazemos porque somos curiosos, queremos conhecer aquela pessoa tão diferente para trocarmos ideias e fazer amizade.

 

 

E em alguns dias, encontramos pessoas que querem continuar a um universo de distância e para quem chove todos os dias. Aí nem os truques elaborados do fundo da cartola servem.

...

por Jorge, em 10.08.11

"Once a stream of forces is allowed to flow, it tends to 
become uncontrollable.  The only way to control it is by 
going back to what caused it in the first place. 
So, in order to get the better of a rebellious crowd, 
first you seize the person 
at their head, their leader, for this is the person 
inspiring them and driving them on. 
 
While this person is free to be with them, they 
will keep going, but once their leader 
is disempowered the rebellion loses its momentum.

What lesson can we draw from this example
 for our psychic life? That before we hurl ourselves
 at some inner enemy, at some feeling, passion 
or desire that is tormenting us – which would only 
reinforce it – we must go within and find where 
the enemy draws its forces from. By going back to 
the source, we awaken powers capable of controlling the enemy. 
 
This is the method: thanks to the effort we make 
to take stock of ourselves, 
we attract help from the spiritual world, and 
the enemy finally lays down its weapons. "

Omraam Mikhaël Aïvanhov

Corrente ++

por Jorge, em 05.08.11

No meio de tantas opções académicas e profissionais, e como sabem é um oceano de opções (e distracções), fazemos tantas escolhas (in)conscientes e, em algumas alturas, já todos nos encontramos atolhados de confusões e problemas laborais sem qualquer lógica ou interesse.

 

Pequenas tretas acumuladas, dão uma grande treta.

 

Qualquer um de nós conhece alguém que sacrificou a sua saúde (e tudo o que vem por acréscimo) por um trabalho desinteressante ou por não cumprir um prazo imposto e mal calculado. Independentemente das desculpas que todos ouvimos, isto simplesmente é absurdo. E em vez de pensarmos 1000x no problema, podemos sempre pensar 10x nas soluções (e o resto do tempo aproveitarmos para rir).

 

 

Algures no ano passado queixei-me: tenho pouco tempo para fazer o que gosto.

Alguém deu a sugestão: faz o que gostas pelo menos 30 minutos por dia antes de dormires, assim no final da semana podes dizer que fizeste 210 minutos do que gostas e ao fim de um ano já terás feito pelo menos 10920 minutos do que gostas.

Um pormenor numa conversa e eu pensei "isto é estupidamente claro", e passei a fazer isso. Comecei com 30 minutos de estudo diário na minha área profissional e percebi que era tempo tão bem passado que mais tarde ou mais cedo teria que mudar a forma de eu viver a profissão. E assim aconteceu.

 

Os meus neurónios trabalham muito bem em projectos positivos, onde todos os envolvidos ganham e o próprio projecto tem como meta contribuir positivamente para outros.  Sei isto, é assim que ganho a vida e que me motivo a arregaçar as mangas e ir de novo à luta. O meu sucesso é medido pela energia com que acordo, sorriso que mantenho ao longo do dia e do sono bem descansado. Para algumas pessoas, talvez seja pouco. Tudo bem, obviamente que aceito essa realidade MAS então pelo menos que saibam qual é a vossa medida do sucesso e que a alcancem de forma positiva para a vossa vida.

 

Sim, o país está a viver uma crise. O meu avô costuma dizer entre os amigos da idade dele: mas nós não tivemos sempre em crise?

E muitos de nós vivemos crises interiores e vidas que não nos preenchem. E se começarmos a viver 30 minutos diários do que realmente gostamos?

 

Jorge Amorim

jorge.amorim@gmail.com

Corrente +

por Jorge, em 03.08.11

ponto da situação 1

por Jorge, em 02.08.11

Nunca poderia ter feito isto num touchscreen (as pontas dos dedos estavam gastas), ainda bem que existem teclados.

 

Escrever um projecto profissional implica converter a comunicação interna para comunicação externa. O que para mim faz sentido, tem de ser esmiuçado para fazer sentido a todos os leitores. No reino dos meus pensamento tudo está ligado e faz sentido, fora é preciso enquadrar, elaborar, clarificar e tornar tão claro como 1+1=2 .

 

Calculo que tenho 75% do trabalho feito.

Este trabalho e a pesquisa associada cheira-me que vão dar origem a um novo blog, mas não é para já.

Cem para Mil

por Jorge, em 01.08.11

É que o dá o tempo continuar a andar. Faltam 100 posts para atingir o número 1000. Dia após dia palavras têm ficado por ser escritas e nada posso fazer sobre o que não fiz. Blog tem ficado para o fim da checklist diária; questões profissionais mais fortes na vida (vai ser o começo de um novo projecto e acompanhado por decisões de grande compromisso e responsabilidade).

 

 

 

 

Aumentei a funcionalidade do meu Asus - N10JC ao garantir que o único SO é o Ubuntu, e todo o trabalho que tenho tido em mãos ficou mais fácil de executar. Mais tempo livre nas mãos para explorar ferramentas web 2.0 (para o projecto) e ideias para elaborar. Dado o meu gosto pelo Ubuntu é a partir dele que tenciono atingir os 1000 posts do sonhos urbanos.

 

Depois dos testes ao iPad, chegou a vez do Kindle. Será que este leitor de livros me vai convencer? Em breve neste blog.