Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

O Princípio do Mundo

por Jorge, em 16.08.05
“Os ossos da cara dele tinham sido esmagados. Já havia moscas a alimentarem-se dos olhos e da boca.”
Richard Zimler em “Meia-Noite ou o Princípio do Mundo”

Sempre preocupado com tudo, contas a pagar, relações amorosas, sucesso profissional, sonhos que não se expressavam na realidade. Um dia parou e consciencializou-se que vivia uma ilusão, no sentido em que nada tinha essência. Nada do que vivia era verdadeiro… Por isso decidiu morrer.




Só depois de morrer é que ganhou um novo fôlego, viu tudo o que se tinha passado, analisou, chorou, sorriu, agradeceu aquilo ter acontecido, agradeceu aquilo ter acabado. Insuflou de novo os seus pulmões com ar e viveu de novo.

Abriu os olhos no mesmo local onde morrera, viu tudo diferente. Fez tudo de forma a da próxima vez que olhasse para trás tivesse vivido uma nova experiência, recusando-se a viver de forma a sentir-se sempre no mesmo filme.

E foi ao instante em que abriu os olhos para ver de forma diferente que passou a chamar “Principio do Mundo”.

Jorge

2 comentários

Comentar post