Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

Abraçar novos projetos

por Jorge, em 08.07.13

O que me move tem variado ao longo do tempo.

 

Novos projetos chegam, outros são concluídos, outros renovados. É importante saber para onde vou, mas sem a rigidez de caminhar da mesma forma. Planear, ajustar aos novos objetivos e aceitar desafios, parece-me ser este o caminho.

 

32

por Jorge, em 05.06.13

 

"If you want a guarantee, buy a toaster."
Clint Eastwood

Sem Validade

por Jorge, em 30.05.13

Escrever é uma boa forma de organizar os pensamentos, escrever online é colocar isso ainda de forma mais clara (é com essa intenção).

 

É comum olhar para a folha em branco do dia que tenho pela frente e pensar:

  • O que é que fiz da minha vida?
  • Onde é que cheguei?
  • Como vai ser o futuro?
  • Quem é que são os amigos com quem posso contar? Quem é que realmente quer realmente saber de nós, além de saídas e copos
  • Os 20 já passaram, já estou nos 30 e, sem dúvida, que isto é muito diferente do que fui educado a pensar que seria este momento.
  • E se eu tivesse feito isto diferente? Ou aquilo diferente?

 

 

Sim, eu sei e defendo: A vida humana não tem validade e é para valer a pena em cada momento (seja 10,20,30, 40, 50, 60 ou 1000). Mas existe pressão para ter validade, ou pelo menos, conheço essa pressão (interior e exterior).

 

Também sei que estou em boa idade para reescrever a minha mente, o meu corpo e a minha carreira (algo que já o iniciei nos últimos anos). Mas há tanta "treta" no nosso moderno dia-a-dia que nem sempre se cumpre o plano (admitindo que há sempre plano real).

 

Sim, há pessoas fantásticas com quem gostamos de estar. Mas igualmente imersas nestas mesmas questões (ou aproximadas) e destas um número muito reduzido está disposto a partilhá-las e desenvolver soluções conjuntas (ou mesmo a ter tempo para conversar, porque há sempre muita "treta" pelo meio).

 

Do que escrevi parece claro que a forma como formulo esta questão também formulo soluções possíveis. Nenhuma delas é novidade ou descoberta da pólvora.

 

A folha em branco que tenho todos os dias pode ser preenchida de qualquer forma, se ela é escrita da mesma forma todos os dias ou é porque me interessa ou porque não me interessa mudar (seja por medo, falta de alternativa ou outra coisa qualquer). Mas o mais importante é recordar-me que a pressão da validade temporal é das coisas mais inúteis para considerar nestes casos (e enquanto pensamos que o tempo passou ele está mesmo a passar).

Allons-y!

por Jorge, em 09.05.13

Prazos aproximam-se.

 

ODEIO!

 

As paredes apertam e fico limitado nas opções. Apetece enlouquecer para o prazo deixar de fazer sentido.

 

Claro que isto não é novidade para alguém. Algures todos passam por isto. Esta partilha humana é reconfortante, muitos dos prazos que enfrentamos até são auto-impostos ou pelo menos derivam das nosssas decisões individuais (que é o caso). Estes prazos até fazem avançar o nosso trabalho e seguir para os seguintes.

 

 

Fácil de dizer, continuo na mesma (ver início do post).

 

Esperem houve uma coisa que me ajudou hoje a trabalhar e esquecer a pressão do prazo. Ler o "Fragile Things" do Neil Gaiman (na verdade, apenas umas dezenas de páginas visto ter sido nos transportes públicos), pela introdução ele comenta que houve alturas em que estava a sufocar com prazos ou que a filha sabe que ele se atrasa sempre com os prazos. Habituado a ver os livros deles nas estantes, já escritos, também é simples pensar que sempre foram assim. Mas não, um dia foram apenas apontamentos em páginas, escritos com dificuldades, ao longo de meses ou anos, durante diversos episódios da vida e, quem sabe se não são estes pormenores que condimentam o resultado final (julgo que sim).

 

E agora que estou para aqui a escrever de sorriso tonto na cara, apercebo-me que este é o tipo de post que me levou a ter um blogue pessoal. Não para atirar coisas para encher chouriços, é para partilhar a minha experiência, os meus pensamentos, para trocar ideias e, por vezes, desabafar qualquer coisa que tenho cá dentro. Porque os dias passam e muito se passa nas nossas mentes e, quando não damos forma aos nossos pensamentos, eles diluem-se em ocenos de ideias.

 

Depois de todas as tempestades dos últimos tempos, tenho a merda de um prazo para entrega de um pedaço de uma tese sobre "human problem solving"... Pffft ... Sufocado por isto? Venha lá disso que já vivi coisas muito mais desafiantes e estou aqui para contar essas histórias.

 

Allons-y

1. In French, allons-y stands for "let's go." This phrase is often used by the Tenth Doctor in Doctor Who.

2. is an old Earth saying, a phrase of great power and wisdom and consolation to the soul in time of need
(from urban dictionary)

REBOOT

por Jorge, em 22.04.13

 

 

Vida experimental

por Jorge, em 27.03.13

Corro a vida em versão "BETA".

 

Só a viver é que sei o que quero dela. A prestar atenção à minha experiência direta e a pensar pela minha cabeça.

 

A agir, aprender, aplicar, arriscar, adaptar e criar.

 

 

 

Ao fim do dia, segui a minha direção e construo o meu caminho.

Ao amanhecer, reavalio o trajeto e defino o que é importante.

A cada dia um ajuste aqui e outro ali.

 

Nada sei do futuro e para lá me dirijo a cada segundo, mas como ainda não cheguei vou ter de deixar de me preocupar.

 

Tudo até hoje foi forjado em decisões, sem grilhões a fazer tombar para um lado ou outro. Sem certos ou errados definitivos.

Empreender em Casa: as vitórias conquistadas

por Jorge, em 01.03.13

Tem de haver espaço para celebrar as vitórias que fazemos com as nossas ideias. É o que nos dá estímulo para enfrentar os obstáculos que vão surgindo e para continuarmos a criar com gosto. As redes sociais estão carregadas de choraminguices sobre a crise económica, podemos estimular uma nova onda de notícias positivas reais e pedir a boa da palmadinha nas costas (também sabe bem).

 

 

Sugestões:

  • Ter um grupo de pelo menos 3 pessoas que valorizem o trabalho que fazemos (partilhas, trocas de ideias, motivação).
  • Tornar estas vitórias num formato de "boas práticas" para que outros também as possam atingir (e fazermos meta-análise da situação).
  • Promover uma rede de bons resultados com outros projectos empreendedores (networking útil)

Tretas e outras coisas que habitam no caroço das nossas cabeças

por Jorge, em 25.02.13


Tretas = tudo o que te impede de viver bem, umas são reais outras falsas. Tudo depende da tua cognição, ou seja, da forma como te adaptaste a conhecer/percepcionar o mundo que te rodeia.

 

 

 

 

Diariamente lidamos, como conseguirmos, com muita informação. A maioria dessa informação é repetitiva e vamos aplicando os filtros comuns. Ocasionalmente chega nova e consoante as nossas emoções do momento vamos arquivando junto aos nossos pensamentos. Nas últimas duas semanas chegaram más notícias e nem sabia muito bem como as juntas aos meus pensamentos, curiosamente hoje acordei com uns bons raios de sol na cara e isso ajudou a novo repensar. Sim, são tretas novas mas... (e depois do mas vem o que é importante) nada está decidido e há muita coisa para fazer. Vamos a isso!

 

Este optimismo é completamente sustentado racionalmente e vem com um plano bem bom.

Entre sonhos...

por Jorge, em 19.01.13

Acho muito giro que nos digam "mete numa frase o teu ideal de vida!", penso sempre "só se essa frase for um saco azul bem grande!".

 

Apesar de satisfeito com conquistas pessoais, procuro constantemente novas metas em diversos campos. Isso caracteriza-me: ter diversos sonhos!

 

Não têm prazo, colei o rótulo "algures no futuro" e mesmo assim animo-me que eles existam nesta realidade sonhada.

 

 

É essencial é que o que faço no dia-a-dia contribua para me aproximar deles, nem que seja apenas um 1 cm no caminho. Sem condições perfeitas, com dúvidas, com situações pouco clares e mesmo assim caminhar porque conheço uma série de destinos por onde irei estar... "algures no futuro". Ficar de braços cruzados é permanecer na estagnação, fazer coisas é passear entre sonhos.

Lembrar!!!! (porque é fácil esquecer-me disto)

por Jorge, em 19.12.12

  1. o mais importante primeiro (o resto vem depois em qualquer altura)

  2. fazer tudo com tempo e concentração (sem pressas e assegurar qualidade)

  3. desligar/limitar distrações

  4. fazer pausas com momentos relaxantes úteis (exemplo: aproveitar para ir deitar fora reciclagem e andar a pé; ouvir música enquanto lavo a loiça ou dobro roupa)

  5. o que tenho pendente são coisas que gosto e escolhi fazer. (vou adorar quando estiverem prontas)