Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

O sonho da libelinha

por Jorge, em 12.02.06
Olhamos a vida, como se através da lenta de uma câmara de filmar, o que nos dá a oportunidade de ir experimentando diversos planos e perspectivas. Parte significativa da vida é passada a experimentar as diferentes formas de ver (e nem todas são com os olhos), saber a que se adapta mais ao nosso processo de nos tornarmos humanos. Uma outra porção da vida parece ter a ver com o conhecer um pouco mais o que nos rodeia, e irmos cruzando o(s) nosso(s) olhar(es) com o que vamos descobrindo no mundo.



Estava aqui por casa, quando dei por mim a sonhar acordado. Nesse sonho, tal como uma libelinha, andava a esvoaçar pelo mundo. Achei uma forma muito curiosa de olhar para o que rodeia e de me libertar da actual estagnação dos meus dias. Quando voltei a concentrar-me no que estava a fazer, recordei que há muitos caminhos para explorar e que é um desperdício estar a gastar algo tão precioso como a vida em actividades/pensamentos/experiências repetitivas.

“He doesn’t realize that being different from the rest of the world is in itself mesiras nefesh.” By Rabbi Shwab

Os dias de casulo chegaram ao fim.
Como se questionaria o Merlin: seria um rapaz a sonhar com uma libelinha ou uma libelinha a sonhar com um rapaz?

A resposta é irrelevante para o caso.

Texto: Jorge

Foto: Jorge Correia (o meu tio)

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.