Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

Há livros que não esqueço...

por Jorge, em 31.01.06
"Um belo dia apercebi-me com pavor de que me tornara uma pessoa crescida, um paspalhão de trinta e oito anos. A minha infância cessara de gorjear dentro de mim. Já nada me revoltava.

A vida e a jovialidade que dantes corriam nas minhas veias tinham-se sumido. O Senhor previsível que eu era agora desfrutava sem prazer de uma situação já estável, parara de copular e exibia no rosto um ar mortiço.

Refastelava-me sem vergonha na pele de um marido domesticado, indigno do rapazinho buliçoso, imprudente e sonhador que eu fora, aquele a quem toda a gente chamava O Pequeno Selvagem."

Alexandre Jardin, In O Pequeno Selvagem, Difusão Cultural

Jorge

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.