Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

Jójó e os críticos

por Jorge, em 09.02.04

Realmente as pessoas têm formas completamente distintas de olharem para um mesmo objecto. No post anterior disse que tinha gostado do "Grande Peixe", hoje de manhã andei a passear pelo site do Público e fui ler as críticas de cinema, mais exactamente as críticas de dois filmes "Big Fish" e "Lost in Translation" (os dois filmes que vi recentemente).


Encontrei isto em relação ao Big Fish:"O "Grande Peixe" é uma enorme decepção. Provavelmente, é o pior Tim Burton de sempre". Comecei a pensar que acho que os criticos embirram um pouco com o Tim Burton já que disseram o mesmo (noutras alturas) em relação aos dois filmes que fez antes do Big Fish (Sleepy Hollow e Planet of the Apes). De 0 a 5 estrelas os críticos classificaram-no com 1 (eu dava-lhe 4 estrelas).


Quanto ao Lost in Translation (cá foi traduzido por O Amor é um lugar estranho): "Minimalista história de amor, sem remédio nem saída, atinge na meia hora final as portas do sublime, com a renúncia a colocar-se paredes meias com a exposição do ser. E a personagem de Bill Murray, prodigioso acerto de "casting", concilia a falha "clownesca" do desenraizamento absoluto com a capacidade de interiorizar a perda e a sobrevivência. Uma obra-prima indispensável" (recebeu 4 estrelas de alguns e cinco estrelas de outros). O que é que eu achei do filme? Eu fui ver com grande expectativa (gostei muito do trailler), e fiquei muito insatisfeito com o argumento, mas adorei a representação dos actores. Basicamente dava-lhe 2 estrelas (usando o mesmo molde dos críticos).


Como devem ter reparado, eu e os críticos gostamos de filmes completamente diferentes. E acho isso positivo, porque as diferenças das pessoas são uma mais valia. O que também pensei (opinião muito pessoal) é que este tipo de crítcos são uns fãs do realismo pseudo-intelectual e não gostam de filmes que utililizem a imaginaçã/fantasia para contar histórias. Provavelmente também não gostam de escritores como Neil Gaiman, Tolkien, Oscar Wilde ou Julio Verne, mas tudo bem... acho que consigo sobreviver a isso. :D A minha chamada de atenção é que os jornais deviam ter o cuidado de ter diferentes críticos com gostos muito diferentes para não colocarem opiniões tão enviesadas (por exemplo, com 5 críticos de gostos muito diferentes nós poderiamos saber o que fez com uns gostasssem e outros não). Mas também continuo a optar por outra forma de avaliar filmes, vou vê-los e fico pelos motivos que me fizeram gostar ou não. :P

A Grande Pescaria em Lisboa :)

por Jorge, em 08.02.04

Cada vez mais me custa gastar 5 euros num bilhete de cinema (costumo ir ao Monumental, fim-de-semana). Gosto de ver filmes, mas a verdade é que o dinheiro tem uma facilidade em desaparecer magicamente dos meus bolsos, principalmente quando uma situação envolve filmes e livros.


Ontem decidi que queria mesmo ir ver um filme, o "Big Fish" (cá com o nome de "Grande Peixe")... ser realizado pelo Tim Burton foi um dos grandes motivadores, apesar de eu ter ficado encantado com o trailler. E de facto, senti que o dinheiro do cinema foi muito bem gasto, já que assisti a uma fábula bem contada.


Para quem está disposto a colocar a lógica e a fria realidade de parte por umas duas horas, este filme é óptimo... assim mergulhará num ambiente de fantasia e de pequenos contos que sem duvida enriquecem bastante a existência humana. Como sempre, lembro que esta é a minha opinião, espero que arrisquem e que visitem uma sala de cinema para assistirem ao filme, para depois colocarem nos comentários o que acharam.


nota: estive afastado do blog por pura preguiça!!!!!!!!!!!!!! =)

Mente Perdida....

por Jorge, em 02.02.04

“Ah, on what little things does happiness depend! I have read all that the wise men have written, and all the secrets of philosophy are mine, yet for want a red rose is my life made wretched” Oscar Wilde, In ”The Nightingale and the Rose”


Uma pessoa tenta passar uma vida calma e estável, quando sem mais nem menos vimos que a nossa vida é tomada por uma patologia perigosíssima. Ficamos apaixonados.


A mente racional tira férias, passamos a ficar menos concentrados nas nossas actividades diárias, o batimento cardíaco também se torna irregular e fazemos coisas completamente insanas. É tão bom, não é? (viram como já não estou a pensar correctamente) :P Foi à conta de me ter apaixonado que perdi os parafusos da minha cabeça e deixei de funcionar bem (logo eu que era um rapazinho tão racional e matemático).


O pior é que isto não é um acontecimento recente, é uma situação crónica que já se mantém há quatro anos. Ninguém já sabe o que me fazer, ouvi amigos a dizerem que o melhor seria ser internado (não sei se é por estar apaixonado, ou se é por achar que sou o Homem-Aranha… bem se for por esta ultima não percebo já que sou mesmo o Homem-Aranha).


Cuidado com esta patologia, que não é mencionada pela Organização Mundial de Saúde, mas que nos vira a vida do avesso (muito pior que a Gripe das Aves)!!!!!! Se forem apanhados por esta autêntica epidemia correm o risco de nunca mais serem os mesmos e de ficarem a sentirem-se em harmonia com o Universo (é por isso que fiquei com este ar “apascaçado”). :P

Bom dia a todos!!!!!!!!!!!!!!

por Jorge, em 02.02.04
Pois foi lá consegui sair da cama apesar da forte preguiça. Este vai ser o grande dia de revisões antes da frequência de amanhã, nada a que não esteja habituado (este momento é vulgarmente conhecido pelo nome "pressão do ultimo momento"). Por instantes, ao abrir os olhos depois de uma noite profundamente calma, pensei que podia ficar deitado à espera que a frequência passasse (passados 15 minutos percebi que depois em Julho voltaria a ver a mesma cadeira se não me metesse imediatamente de pé).
Ontem li um conto de Oscar Wilde muito bom, "The Happy Prince". Não revelarei nada da história, porque é daquelas que vale a pena saborear página a página... eu tenho uma edição de bolso (Penguin Books) e são treze páginas (é mesmo um conto pequeno mas extremamente rico) que vos aconselho vivamente a ler.
E para terminar este post: BOM DIA A TODOS! Tenham um dia fantástico.

Dedos que voam

por Jorge, em 01.02.04

Sim, hoje decidi que os meus dedos voltariam a voar sobre o meu teclado, pressionando ocasionalmente algumas teclas para assim arquitectar novas frases. Voltar a mergulhar no improviso da escrita é obviamente um motivo para festejar. (Yupppppppppppiiiiiiiii!!!!!!!!!!!) É preciso estar muito bem disposto para fazer isto, é um acto criador que me devolve à manutenção cuidadosa deste blog.


Ultimamente os meus dois blogs têm andado muito murchos para o meu gosto, mas como me afeiçoei a eles não desisti deles e cá tenho colocado qualquer coisa... só que de facto não tem sido inteiramente ao meu gosto. Mas aqui o vosso Jorge, escritor de blogs e super-herói (obviamente em part-time, com a quantidade de matéria que ainda não estudei para a frequência de terça-feira), está de novo com boas ideias e apesar do pouco tempo livre tenho tido muita vontade de escrever mais regularmente e de forma mais cuidadosa.


Hoje andei a passear por alguns blogs do sapo, li posts muito interessantes, li outros menos interessantes (pelo menos para mim)... e para minha surpresa encontrei um blog que critica os outros blogs... o que me parece um óptimo tema quando nos falta imaginação (LOL). Lembrei-me claro dos criticos de cinema, que gostam de qualquer m**** (leia-se porcaria) que seja premiada num festival de cinema estrangeiro, cascam imenso noutros filmes (através de poses pseudo-intelectuais) e, tristemente, nunca fizeram grande coisa (ou mesmo nenhuma) em cinema... ou seja é só fazer a ponte com o que falei anteriormente, um blog que só critica os outros é uma m**** de blog :P ... uma vez mais reforço que esta avaliação se baseia somente na minha opinião. Basicamente acho que não é um trabalho construtivo nem criativo, mas também só vai lá ler aqueles posts quem quer.


Por hoje vou parar de adicionar palavras ao meu blog, e vou agora aventurar-me nos mais recentes sonhos urbanos. Abraço. Jorge

Pág. 3/3