Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

Dar a cara...

por Jorge, em 15.10.05
Assumo sem medos, vou continuar a dar a cara neste blog…



… Ou seja, decidi continuar a assinar textos neste espaço.

Mesmo que assinar com o próprio nome possa trazer algumas confusões... Que se lixe!


Jorge
(após a tomada de decisão)

Foto: Happy Tree Friends

Altos, baixos e, por vezes, médios

por Jorge, em 15.10.05
As notas pautadas na vida surgem misteriosamente a cada dia. Uns dias alegram, em outros momentos podem acinzentar tudo e, com o devido tempo, lá voltam a clarear o nosso horizonte.


Continuamos a caminhar, mesmo que neve ou que chova, sabendo sempre que um dia estaremos sob um estrelado e limpo céu ou numa manhã perfeita perdida num momento qualquer.
Para a existência que gosto de viver, o bom é podermos mostrar o som e as cores dos nossos dias com pessoas que vivem outros sons e outras cores; partilhamos as nossas diferenças juntos por entre abraços e mãos dadas.

Jorge
(ao som de Bernardo Sassetti num dia cinzento em que apesar de estar sozinho me sinto muito acompanhado e apoiado)

As Raposas também festejam os seus aniversários…

por Jorge, em 14.10.05
Tenho sentido grande descrença em relação a este tópico, para não criar mais confusões acho adequado esclarecer que pelo menos uma raposa (que eu amo muito) faz anos hoje.

Uma data assim é digna de parar o trânsito na capital de Portugal, por isso declaro que hoje não haverá trânsito nem más notícias (a Raposa merece que tudo corra muito bem, apesar de nunca mais ter escrito no Sonhos Urbanos).

Feliz aniversário, meu Amor!

Jorge
(“Love You Like in Poetry”)

Alice

por Jorge, em 13.10.05
Perdi-te na cidade dos corvos, por entre as pessoas cujo nome desconheço. Agora procuro-te todos os dias, para te poder abraçar de novo, sorrirmos juntos e, acima de tudo, ver-te crescer.




Os dias passam e procuro não perder a esperança, tento cada vez mais intensamente reencontrar-me contigo. Mesmo que todos já não consigam acreditar que nos voltaremos a encontrar, eu acredito.

Jorge
(Depois de ver o filme “Alice” e ter ficado a pensar nele)

Método de Trabalho

por Jorge, em 12.10.05
“Comece por fazer o que é necessário, depois o que é possível, e de repente estará a fazer o impossível”
São Francisco de Assis

Esta frase resume o meu método de trabalho actual, cujos resultados têm sido muito positivos. Partilho-a convosco porque penso que a leitura da mesma pode dar-lhe uma sugestão para se aliviarem da montanha de trabalho que possam ter nas mãos.

Acrescento, no entanto, que tenho que respirar bem fundo em cada intervalo. E isto está só no início…

Jorge

Tio Miguel

por Jorge, em 11.10.05
Fui seguindo atentamente as críticas (na TV ou no Jornal) do Miguel Sousa Tavares, gostava da forma como ele as fazia (a única coisa estranha era o ar demasiado sério). Nunca liguei ao seu percurso literário, soube que tinha publicado um conto infantil (inicialmente pensei que seria um erro de impressão quanto ao nome do autor, ou alguém com o mesmo nome).

Depois veio a febre "Equador" e muitas pessoas (que nunca tinha visto com livros) andavam a gabar o livro, ignorei esta febre. Nas livrarias sempre que pegava nele para ler um pouco, ficava na mesma. Um dia decidi que ia dar uma vista de olhos pelo livro, e o facto do Hugo (do Jam Session) o recomendar reforçou a minha decisão.

Agora que o estou a ler, vejo que o Tio Miguel escreve muito bem mesmo sem ser no estílo"não-jornalístico". Por isso deixo aqui a recomendação: "Equador", Miguel Sousa Tavares.

Jorge

yahoo!!!!!!

por Jorge, em 10.10.05
Sinto-me tão contente que consigo escalar paredes...

Jorge

Alma viajante

por Jorge, em 10.10.05
Estou sentado a pensar em viajar por terras distantes, cujo nome nem sei pronunciar. O desejo de conhecer novos locais, novas culturas e novas pessoas tem crescido a cada bater do coração.

Para mim estas viagens ganham novas cores por gostar da terra onde vivo e das pessoas com quem partilho o meu dia-a-dia, a viagem que desejo é uma viagem de desenvolvimento interior com regresso em vista.



De bom grado estaria uns três anos fora do país onde vivo, esperava poder trazer algo novo na minha existência (algo que, no meu entender, qualquer viagem faz).

Deixaria para uma outra altura a viagem sem regresso que um dia todos teremos que fazer.

Texto: Jorge
Fotografia: “Play of Light and Shadow” tirada por Jack Dykinga, retirada de "Visions of Earth," National Geographic, Outubro de 2005.

Encerramento da campanha

por Jorge, em 09.10.05
Dia 9 de Outubro de 2005, um dia triste em Portugal!

Amigos fomos derrotados nestas eleições, mas o partido não foi derrotado. Até foi quase quase quase uma vitória, porque perdemos mas podíamos ter ganho. Alias o que conta é participar, não é vencer. As pessoas gostam mais dos que perdem (“tão querido perdeu as eleições”), por isso soa a vitória.

É triste termos beijado tantas pessoas e termos sido lambuzados por outras tantas e depois não termos conseguido vencer. A vida, por vezes é assim, outras vezes não é e surpreende-nos com um novo anúncio do António Sala ou mais uma telenovela com gémeas trocadas à nascença.

Correu tudo bem, apesar de termos perdido (de forma injusta, acrescente-se) e, como tal, colocamos o nosso lugar à disposição; prometemos regressar no congresso do partido (lá para Novembro) e voltaremos a ser candidatos à liderança do mesmo.

Não chorem, os que em nós votaram, nas presidenciais estaremos de volta (e depois no famoso referendo).

PMRJS para sempre!

Jorge

Entrevista durante a campanha

por Jorge, em 08.10.05
Entrevistador: Há quem vos critique por começarem a fazer campanha no dia em que esta terminou.

Jorge: Só os invejosos dizem isso.

Entrevistador: Mas é verdade, ontem foi mesmo o último dia de campanha!

Jorge: Você é um invejoso!

Entrevistador: Bem e você não acha que anda a brincar com um assunto sério.

Jorge: Diga-me você se acha ou não.

Entrevistador: Não estamos a ir a lado nenhum.

Jorge: Também não ia consigo a lado nenhum.

Entrevistador: Você é mesmo um idiota!

Jorge: Claro por isso é que decidi ser político.

(Entrevistador desiste da entrevista)