Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

Sondagens: Autárquicas 2005

por Jorge, em 08.10.05
ÚLTIMA HORA: Sondagens “Autárquicas 2005” em Lisboa

Jam Session: 300%
Carmona: 1,2%
Carrilho: 1,18%
Sr. Que se chibou do túnel do marquês:0,0001%
Senhora que diz ser de confiança: 0,000000001%
Outros partidos e outros animais: 0,000000000000000000023%

Esta sondagem foi feita na nossa sede de campanha e numa festa que organizámos. Algumas pessoas votaram duas vezes, antes e depois de atingirem o chamado “Gregório”.

Cliquem aqui para saberem mais sobre esta campanha


Jorge

Tenham medo

por Jorge, em 07.10.05
“(…) o PMRJS, Partido Monárquico Repúblicano Jam Session, tem como principal característica, aceitar pessoas, cujos ideiais, vão da direita à esquerda, do Mário Soares ao Cavaco Silva, não nos esquecemos do Manuel Alegre...e muito menos do Miguel Urbano Rodrigues.”
Jam Session, blog oficial


Iremos a onde outros nunca foram (como ao Lidl de Xabregas), apoiaremos causa nunca antes apoiadas (a indústria do algodão doce), daremos ADSL a todas as pessoas em carência económica, prometemos domesticar o Alberto João Jardim e, ainda, oferecer lindos serviços de prata a todos os cidadãos para poderem receber estrangeiros com grande luxo e dizerem: “Portugal, grande país!”.




A vocação política não chamou por nós durante o período universitário, foi preciso estarmos sem ideias e dinheiro para sentirmos essa vocação. Criámos o PMRJS para chegarmos ao poder, quando mandarmos as coisas vão ser bem diferentes (ainda não sabemos como, sabemos que vai ser diferente…).

Temos propostas loucas e inovadoras, guarda-costas que colocam os guarda-costas de outros partidos a um canto, muitos amigos para colocarmos em lugares de poder, gigantescas carências orais para mamarmos tudo o que pudermos nos nossos cargos e muitos beijos para dar em campanha.

Por isso, meninas e meninos, votem no Jam Session, o único partido com tomates para insultar os adversários políticos e para tornar público o circo que sabemos que a política já é.

Cliquem aqui para saberem mais sobre esta campanha
Jorge
(lembrem-se, votar é fazer um X no quadradinho em frente à nossa foto; depois disso deixem tudo nas nossas mãos)

História de um referendo

por Jorge, em 06.10.05
Um grupo de pessoas é eleita para tomar conta do país, ninguém sabe muito bem porquê aquelas pessoas são eleitas, há quem diga que é uma questão de cor (ora rosa, ora laranja, sucedendo-se à vez). Chamemos a este grupo de pessoas, os “escolhidos” (para evitarmos recorrer a nomes ofensivos neste blog).

Quantas estas pessoas (os “escolhidos”) ficam com o poder de tomar decisões assumem as suas posições e tomam diversas decisões que afectam os outros todos, muitas vezes as decisões não agradam todos. Os “não-escolhidos” reclamam e também muitas vezes são ignorados.

De vez em quando os “escolhidos” dão umas migalhas aos “não-escolhidos”, e em assuntos excepcionais lá vamos todos “cagar postas de pescada” (expressão que ouvi tantas vezes dizer na minha infância). E quais são assuntos excepcionais? Julgo não haver critério para isso. Bem… a não ser que… o dia de votação coincida com um fim-de-semana prolongado, porque se assim for muitas das pessoas estão obrigadas a marcar presença em locais afastadas da sua zona de voto (porque estão muito interessadas nestas questões).

Parece que em breve vamos ter um evento desses.

O que dizer do referendo que se aproxima? Honestamente, acho-o desnecessário! Parece-me que a lei podia perfeitamente ser aprovada sem referendo, porque afinal a maioria da população que elegeu o actual governo depositou nele a confiança para tomar decisões.

Já agora (antes que me esqueça): Porque é que o aumento do IVA não foi a referendo? (até porque não é uma posição brilhante, uma vez mais reforço que digo isto de acordo com a minha opinião e não tenho intenção de ofender ninguém).

Daqui a uns tempos vamos poder assistir a trocas de argumentos sobre o aborto, evocações de posições éticas bem fundamentadas (que muitas pessoas se esquecem durante o seu dia-a-dia mas que as recuperam nestas alturas). E vamos também assistir (e alguns de nós, participar) ao evento. A decisão vai ser colocada numa população esclarecida sobre o tema (independentemente da sua posição)? Ou num conjunto de pessoas que diz “sim” ou “não” por motivos de afiliação a um grupo ou porque está na moda?

Aguardarei desenvolvimentos.

Jorge

Spellforce - a banhada... :(

por Jorge, em 05.10.05
Ontem adquiri a Mega Score n.º121 (Outubro de 2005) apenas porque oferecia o jogo "SpellForce - The Order of Dawn". Ao chegar a casa li a revista e deixei para hoje a instalação do jogo. Ao instalar deparei-me com o seguinte erro: "Spellforece could not be installed successfully because the CD failed the authenticity check".

(quem me conhece já sabe que fico com "muito bom" feitio quando estas coisas acontecem, principalmente porque raramente adquiro jogos para pc e quando o faço acontece sempre qualquer coisa... A não ser com o meu querido Warcraft 3 que não me queixo de nada.)

Dei umas voltinhas pela net e verifiquei que TODAS as cópias oferecidas nesta revista têm o problema que referi anteriormente. Para quem está com o mesmo problema há duas soluções (retiradas de um fórum):

1 - Na próxima edição da Mega Score, será oferecido novamente o jogo Spellforce a funcionar correctamente, além, claro do jogo da próxima edição (que será o Silent Storm em DVD).

2 - Para quem não pretende adquirir a próxima edição, poderá a partir de 29 de Outubro trocar o seu jogo por um novo, enviando-nos por correio o seu. Os portes podem ser a pagar por nós, pois a fábrica vai ter que se aguentar com mais esse gasto.
A morada é:

Mega Score
Rua Laura Alves, 3
2745-152 Queluz

Há rumores de uma 3ª opção que diz respeito ao download de uns ficheiros que permitirão a instação.

Quero deixar claro, que apesar de ser uma situação chata, não culpo a revista (até porque já há opções para resolução da situação) e gostei de a ler (mas quero o meu Spellforce a funcionar). Entretanto ter lido o tópico deste fórum foi uma experiência deprimente porque há participantes que são uns perfeitos idiotas (tanto veteranos como novatos), algo que também tenho verificado no fórum da mula.

Jorge

Escrever tudo

por Jorge, em 04.10.05
O truque é apontar cada ideia doida que surja, respirar fundo, prender a respiração e largar as palavras de forma caótica (quando tivermos tempo organizamos aquilo). Muitas vezes, o que não se aponta acaba por se perder (uma pena!). Este blog é edificado sobre a febril chuva de ideias que cai por estes lados. Obviamente que também temos momentos de seca, sei que vocês reparam nisso, da mesma forma que acredito que já repararam que actualmente a época é de chuva.

Jorge

Argumento de qualidade (uma salva de palmas)

por Jorge, em 03.10.05
Quero felicitar os argumentistas do projecto “Autárquicas 2005”, está a ser muito animado, pelo menos do que tenho visto e lido. Tiroteios, homicídios, sentido de humor, números circenses, conspirações e agressões (tem faltado a mulher fatal). E as cenas de acção em bairros sociais e mercados (nunca tantas senhoras, com a profissão de peixeiras, foram tão abruptamente beijadas)?

O aspecto negativo que gostaria de assinalar é a fraca prestação dos autores que contrataram, aqui em Lisboa é flagrante, utilizam “repetentes” e um senhor que entrou naquele filme do “Túnel do Marquês”.

Como toque final sugiro a troca daquele senhor que representou o papel de Ministro da Cultura (Governo do António Guterres), aquele que comprou uma sanita de luxo para o seu gabinete quando assumiu as suas funções (estes argumentistas têm cada ideia), pois o seu sentido de humor está demasiado non-sense desde a ideia dos táxis sociais.

Jorge

Uma geração de remelosos

por Jorge, em 02.10.05
“REMELA. s. f. Substância amarelada, de formação, de formação anormal, que aparece nos pontos lacrimais e nos bordos da conjuntiva.”
In, Grande Dicionário Enciclopédico


Tenho o hábito de elogiar algumas pessoas com o título “remeloso”, faço isto mais mentalmente do que verbalmente. Remeloso é, habitualmente, aquele que acorda com remelas; normalmente não é visto como elogio chamar alguém de remeloso.

Passarei a explicar como o termo adoptou uma vertente positiva no meu pensamento. Foi quando o Neil Gaiman me explicou que as remelas têm origens oníricas, são na verdade restos do pó dos sonhos. Assim aprendi que os mais remelosos são os mais sonhadores.

E por isso estou com este sorriso nos lábios, faço parte de uma geração de remelosos que um dia vamos ser substituídos por uma geração ainda mais remelosa… Um dia todo este planeta será povoado por remeloso.

JUNTOS SONHAMOS, JUNTOS TEMOS REMELAS!!!

Jorge

Pág. 3/3