Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

Repensar

por Jorge, em 04.01.06
Desabafo: Detesto ouvir dizer que as pombas são uma praga, porque não dizer que a sua reprodução está a exceder aquilo que seria mais adequado (acontece em Lisboa, por exemplo)? Outro argumento utilizado, para o rótulo “praga”, é que trazem doenças.




Questão: E que rótulo dar a uma espécie que se diz ser muito inteligente, destrói os recursos naturais do planeta em nome do desenvolvimento económico, mata por dinheiro, explora outros da mesma espécie por dinheiro, que está muito desenvolvida no planeta, vivem em grande número e também transportam doenças?

Provocação: As pombas são bodes expiatórios.

Jorge
(defesa matinal das pombas nacionais, em especial das lisboetas)

Advinhem quem está de volta?

por Jorge, em 03.01.06


“Cada homem tinha apenas uma vocação genuína: descobrir o caminho que o levava a si próprio (…). A sua missão era descobrir o seu próprio destino – não um destino arbitrário – e vivê-lo em pleno, e resolutamente, dentro de si. O resto não passava de uma existência possível, uma tentativa de evasão, uma fuga em direcção ao ideais das massas, conformidade e medo da sua própria essência individual”

Herman Hesse

2006

por Jorge, em 02.01.06
"Muitas pessoas apaixonam-se muitas vezes na vida, mas poucas amam ou
encontram um amor verdadeiro.
Às vezes encontram e, por não prestarem atenção nesses Sinais,
deixam amor passar, sem deixá-lo acontecer verdadeiramente. É o livre-arbítrio. Por isso, presta atenção aos sinais.
Não deixes que as loucuras do dia-a-dia te deixem cego para a melhor coisa da vida: o AMOR!!! Ama muito.....muitíssimo."

Carlos Drummond de Andrade



(enviado por e-mail por P.)

...

por Jorge, em 02.01.06



As folhas caíram no momento em que o tinham que fazer, não protestaram. O seu túmulo de água e cimento recordará os seus verdes dias, pelo menos até a Primavera chegar. Nessa altura alguns já terão esquecido as belas folhas castanhas, eu prometo não as esquecer.

Pág. 3/3