Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

Totem

por Jorge, em 03.07.12

The Days That Never Came...

por Jorge, em 02.07.12

 

 

 

The Doctor and Amy Pond... and the days that never came.

 

"Silly me; silly old Doctor. When you wake up, you'll have a mum and dad, and you won't even remember me. Well, you'll remember me a little... I'll be a story in your head. But that's OK. We're all stories in the end. Just make it a good one, eh? Cause it was, you know. It was the best. A daft old man who stole a magic box and ran away. Did I ever tell you that I stole it? Well, I borrowed it. I was always going to take it back. Oh, that box... Amy, you'll dream about that box. It'll never leave you, big and little at the same time, brand new and ancient and the bluest blue ever. And the times we had, eh? Would've had... Never had. In your dreams, they'll still be there. The Doctor and Amy Pond, and the days that never came... The cracks are closing, but they can't close properly until I'm on the other side. I don't belong here anymore. I think I'll skip the rest of the rewind... I hate repeats. Live well. Love Rory. Bye-bye, Pond."

Exame de Neuropsicologia

por Jorge, em 02.07.12

Faltam 13 horas para o último exame do semestre... O que vem depois?

 

The future belongs to those who prepare for it today.
Malcolm X

Reboot of the Soul

por Jorge, em 01.07.12

Fundação José Saramago

por Jorge, em 01.07.12

Ontem aproveitei para visitar a Fundação José Saramago, foi o último dia de entrada gratuita para assistir à exposição.  Nunca tinha tido a oportunidade de entrar na Casa dos Bicos e adorei o labirinto que aquilo é actualmente.

 

 

José Saramago, um escritor capaz de pensar que faz falta à literatura. Felizmente deixou uma obra vastíssima que podemos explorar.

Waking Life Trailer + Bonus track

por Jorge, em 01.07.12

 

E depois de relembrar o trailer, tenho que deixar a música "the passenger".

 

Febre da produtividade

por Jorge, em 01.07.12
Ocorre na minha vida, periodicamente, um mal-estar a que chamo: febre da produtividade.
Procuro uma série de artigos e programas de estimulação de produtividade, e de todo material retiro 10% de informação útil.
Normalmente repetem todos o mesmo e apenas vão um bocadinho acima do senso comum.
Raramente fico satisfeito com o que faço, nestes dias.



Quando pensei neste tema ía dizer: somos mais produtivos quando não perdemos tempo a ler coisas sobre produtividade. Isto estava errado.
É preferível isto que estar 5 horas seguidas a jogar no pc. Então alterei a ideia nuclear do artigo.

Porque é que damos tanta atenção à produtividade?
Interessa fazer as coisas para que nos pagam, num trabalho remunerado.
Mas nas actividades que escolhemos fazer, se não as fazemos parece mais interessante pensar nos mecanismos bloqueadores e promotores da acção.

E porquê exigir uma actividade sobrehumana?
Devemos andar a assimilar ideias lançadas na cultura popular....

Pág. 2/2