Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

O Homem Invisível

por Jorge, em 27.10.04

Deixei de ser visível aos olhos da humanidade, passo entre todos como um fantasma, observo, escuto e penso… sem interagir. É como estar de novo no secundário, só que as pessoas são mais interessantes e a banda sonora de melhor qualidade.


Sem conseguir ler os pensamentos das pessoas, fico-me pela visão das lágrimas que escorrem pelas suas faces e pelo som de palavras de tristeza sussurradas.


Acompanho o caminhar de milhares de pessoas, que nesta cidade se movem, sem me verem estou ao seu lado nas suas vitórias e sofro com elas quando são derrotadas.


Ao fim do dia, quando o Sol nos deixa e as ruas se esvaziam, fico apenas a contemplar as luzes que brilham do interior das muitas casas. Em algumas incendeiam-se paixões, noutras enlouquecem-se os seus habitante, noutras há silêncio (silêncio de movimentos, de vida e até mesmo de existência).


Uma por uma todas as luzes se apagam, e fico a velar por quem dorme e por quem trabalha nessas horas escuras. Sou tão invisível de manhã como à noite, mas gosto de ver o nascer do Sol, cada contorno do que existe ganha novo aspecto (até mesmo os meus contornos invisíveis).


Talvez um dia destes fique visível, te possa dizer olá e nessa altura também vou receber um olá teu, até lá vou acompanhando o caminhar de milhares de pessoas que não sabem que existo.


Texto: Jorge Amorim

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.