Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sonhos Urbanos

Powered by Cognitive Science

Processo criativo

por Jorge, em 24.08.10
  1. Sento-me
  2. Abro um caderno
  3. Rabisco umas tretas por vinte minutos
  4. Começo a divagar
  5. Telefono ou vou ter com alguém
  6. Regresso ao espaço de escrita e faço algo de jeito

Tens umas ricas pernas!

por Jorge, em 23.08.10

O post não tem nada a ver com o título, é só para chamar a vossa atenção.

Regressei ontem a Lisboa. Adoro a sensação de reentrar em casa e dizer "Ah, estou de volta".

Sobrevivi à viagem de autocarro e depois de passar já não custa nada.

 

Os próximos dias de férias vão ser dedicados à arte de bem viver e, como já devem ter reparado, o desafio de 30 dias do Sonhos Urbanos está a chegar ao fim. :) E depois? O tal projecto sério? Ou outra coisa "fora da caixa"?

 

 

Dia: 27

Texto: JA

Posts Agendados

por Jorge, em 15.08.10

Este post foi escrito num passado distante e se o estão a ler é porque o activei de forma a garantir que cumpro os meus 30 dias de sonhos urbanos.

 

Onde é que estarei neste preciso dia?

 

- A lutar com dinossauros ninjas de um planeta relativamente distante?

- A salvar o mundo de perigosas criaturas animalescas?

- A preservar a cultura mundial, através da conversão dos 1000 VHS que tenho em casa para DVD's?

 

Nada disso interessa, é para isso mesmo que servem os posts agendados... Criar a ilusão que mesmo num domingo acordamos cedo para escrever qualquer coisa para os 3 leitores diários que por cá passam. :)

1/3 do Desafio está Completo

por Jorge, em 06.08.10

Chego hoje ao décimo dia consecutivo de actualização do blog.

E na verdade, o que custou mais foram os quatro primeiros dias. Já não estava nada habituado a responder a comentários e a pensar no próximo post. Tudo indica que o restante caminho até concluir o desafio será o mais interessante.

 

O que está para chegar? Eu e a Raposa andamos a experimentar umas receitas e conto em partilhar aqui para vocês também experimentarem nas vossas cozinhas. Vai chegar uma altura em que vou ter de abordar a Arte que mais adoro: banda desenhada (e será uma boa forma de vos (re)iniciar no blog de BD que partilho com alguns amigos). E o que mais gostaria de ver aqui? Força, sem vergonhas, usem os comentários!

 

Algumas pessoas já ouviram falar na minha ideia de um projecto sério em conjunto com o iPhil, esse conceito anda a ser trabalhado e tenho vontade que o pontapé oficial de lançamento seja nos próximos 20 dias.

 

 

Os comentários que tenho recebido são um reforço positivo para continuar activo e, desde já, vos agradeço.

 

Mesmo afastado do computador tenho escrito e desenhado. Não tem passado um único dia sem que coloque em papel as minhas criações. Como já tive a oportunidade de desabafar a um amigo, julgo que isto está a acontecer por estar no "modo recreio". Sinto que é algo a brincar e as ideias surgem aos montes, se fosse um compromisso rígido e cheio de prazos já me incomodava mais e, quase de certeza, começaria a bloquear. Mas... (porque há sempre um "mas") é a oportunidade para corrigir isto e aprender a focar este fluxo de ideias para projectos concretos e com maior visibilidade.

 

 

Dia 10

Texto: JA

Desenho: mike wieringo

É sábado mas (quase) não me esqueci do blog

por Jorge, em 31.07.10

Assim que me lembrei que o despertador estava ligado ao Sábado, era tarde demais. Acordar às 08h da manhã apenas por um lapso técnico é um soco no estômago (e, de certa forma, um pequeno certificado de estupidez humana). Lado positivo comecei por tratar das actividades domésticas, o pesadelo de todas as pessoas que vivem sozinhas (e não têm empregada para tratar disto). Tomei um pequeno almoço a olhar para o Tejo, nas calmas, seguiu-se um duche relaxante e lá fui eu para o ginásio.

 

Fui a uma aula de body combat levar uma coça (amanhã devo estar bonito), almoço vegetariano com a minha Raposa, visita a casa dos avós. Tudo direitinho, nem parecia meu. Estava sentado a lanchar quando "PORRA!!!! Esqueci-me do post de hoje no blog, o meu desafio auto-imposto". Inventei uma desculpa ranhosa, corri até casa (estilo Forest Gump) e teclei que nem um doido (é este post, vá lá não se queixem muito).

 

Agora duche e a caminho da festa de aniversário do Hemmingway :)

Até amanhã

 

Dia 04

Texto: Ja

30 dias de Sonhos Urbanos

por Jorge, em 28.07.10

Um blog sem actualização é como uma casa abandonada, um desperdício.

 

Acabou-se a mentira do "bloqueios de escrita". Palavras não faltam, ideias também não. É uma decisão minha.

Então e se isto voltasse a ser diário? Nem que fosse por 30 dias. Será que consigo?

 

Um post por dia durante 30 dias. Não vale ser só uma imagem ou uma letra de música ou um video, tem de ter texto original.

 

Será que alguém quer ler?

 

Para este desafio vou precisar de todos os leitores que aqui passam. Usem a função de comentários e incendeiem isto, convidem-me a abordar este ou aquele tema. Critiquem o que aqui coloco! Juntem-se à nova revolução da blogoesfera, vamos despertar para a leitura e para a escrita. Isto é tão fácil, não precisamos de uma editora (temos o nosso amigalhaço SAPO), não precisamos de ter venda, podemos fazer do nosso blog o que quisermos.

 

Este foi o meu compromisso público que farei tudo para cumprir. Vamos ao texto que me passou hoje pela cabeça (logo depois da fotografia).

 

 

Tirei esta fotografia na Penha de França (em Lisboa, algures em Junho deste ano), lembrei-me do início do "The Invisibles" (Obra do Grant Morrison que estava a reler na altura). Em tempos também pensei que a solução seria destruir todas os grilhões da aprendizagem instituída pelo sistema de ensino (em plena adolescência), hoje acho que devemos pegar no que interessa (e funciona bem), acrescentarmos o que falta e investirmos mais no ensino das pessoas (todas as idades).

 

Incomoda-me a celebração e culto da ignorância. Acho que a solução não passa apenas por cada um de nós cultivar mais a sua mente, não quero uma elite de intelectuais, desejo um futuro com pessoas que gostem de pensar, aprender e ensinar.

 

O que andamos a aprender e a ensinar? Seja nas formações em que participamos, seja em casa ou no grupo de amigos.

 

Várias vezes ouço as queixas que "a miudagem actual não tem qualquer educação", pois mas as gerações anteriores também não têm e quando chega a vez de ensinarem apresentam os resultados dos quais se queixam. É um problema de todos, vamos parar de queimar escolas e ideias e vamos criar espaços de partilha de conhecimento. Se não conseguirmos isso a um nível grande, vamos fazer nas nossas casas e com as pessoas com quem gostamos.

 

E assim declaro publicamente a minha guerra contra a ignorância.

 

 

DIA 01

Texto: JA

Foto: JA

 

"Quando as plantas florescem na primavera, ali os homens escrevem os seus nomes. Mas quando as plantas florescem no inverno, ali se escreve o nome do Grande Mistério..." - Ruben Alves

 

Gostava que me tivesses visto...

por Jorge, em 04.11.09

Caros Leitores,


[Este post era para ser uma frase...]

 

 

Não se pode escapar do passado, por isso abracei-o com muitas saudades. Breve resumo: nasci em 1981 e ainda estou vivo. :)


[há 10 anos atrás uma pessoa com 28 anos parecia-me velha, hoje reconsiderei e acho que uma pessoa de 28 anos é muito jovem]

 

Começou com um olhar rápido para uma fotos de vários períodos diferentes. Apenas isso e, depois, ficou a sensação que valeu a pena. TUDO!!!

 

[Sim, podia ter feito isto e aquilo diferente... mas mesmo assim...]

 

É mesmo positivo pensar assim, as ideias fluem a muito maior velocidade.

Agora é que me lembrei porque me consideram um grande sortudo. :) HAHA Porque o sou mesmo e aproveito isso para tornar a minha vida mais interessante.

 

 

 

[Imagem: Algures no ano 2001, numa peça de teatro que muitos de vós acompanharam. Sou o gajo mais atrás, ainda não usava óculos]

 

Já se passaram tantas coisas, histórias lendárias, amigos formidáveis, grandes loucuras e lindas paisagens. Passaram e ficaram, transformaram-me em quem sou. Acima de tudo, muitas gargalhadas. Um dia quero deixar este mundo com um grande (e sereno) sorriso na cara.

 

Aqui estou eu, no meu blog pessoal, a voltar a apresentar-me à blogoesfera. Quero é aparecer (como diria o chato dos "Contemporâneos"). E é um bocado isso, este blogue será sempre um cartão de visita muito pessoal. Que mal tem? Já que vão falar de mim que seja com base em ideias minhas que realmente conhecem.

 

Fecha-se a caixa das fotos, desligamos a visualização das nossas memórias cristalizadas. Vamos agora olhar para o presente e futuro, o melhor ainda está para chegar.

 

Abraço,

 

Jorge

Regularidade

por Jorge, em 15.10.09

"Não actualizas regularmente o teu blog!", ouvi ontem. Como foi um amigo que me disse fiquei a pensar. Acho que é mau para este formato estar ausente e aparecer com palavras novas muito esporadicamente.

 

 

Mesmo assim prefiro ter não ter compromissos de escrita pela net fora, os meus textos mais recentes têm sido em papel (e sem sentido de serem aqui publicados).

 

A quem aqui passa deixo a segurança: quando publico algo é especificamente para chegar até vós. Podem ler quando quiserem, comentem livremente (leio todos os comentários) mas vamos continuar sem prazos para trocarmos palavras.

O deserto-que-não-é-a-margem-sul

por Jorge, em 30.01.09

De forma ingrata, tenho escrito mais no twitter do que neste blog.

Não me levem a mal, os que por aqui passam. Conto em corrigir isso em breve.

Fiquem atentos.

 

Abraço

J.

O gajo que aqui escreve

por Jorge, em 09.01.09

Como criador e contador de histórias sei que o meu trabalho nunca está feito, nem perfeito. De tanto em tanto tempo, olhamos para o que fazemos. Sim, todos acham que são críticos e dizem o que lhes vai na cabeça sobre as nossas obras, mas quando o próprio autor decide fazer isso à sua obra é bem mais rígido. Sabe sempre que tem ali um trabalho incompleto e imperfeito. E decide seguir em frente, porque é a sua natureza, é o que sabe fazer, é o que lhe dá gozo.

Em cada passo para atingir um novo patamar de criação e concretização surge uma nova peça de um puzzle (cuja imagem final desconhecemos por completo). Claramente influencia toda a nossa vivência quotidiana, eu estou muito mais aberto ao mistério da existência desde que escrevo e cada busca individual (e metafísica) que faço acaba por se reflectir nas palavras que gravo em formato digital.


Pensei, li muito, vi muito e passaram uns dias. A gripe incomodou um pouco mas serviu como a pausa que eu precisava. Nestes dias deixei-me levar para o reino da criatividade e voltei cheio de novas ideias e pensamentos frescos.

Afinal, apesar do que se diz por aí, ainda há tanto por descobrir, conhecer e desenvolver.

Para 2009 não espero um reboot da minha vida, prefiro aguardar uma continuidade do que tenho vindo a fazer, com novos desafios e aprendizagens, com velhos e novos amigos e com muitas ideias por navegar. 2008 terminou, não foi perfeito nem realmente completo, tal como a minha própria natureza.

E, porque ainda não o disse, desejo-vos um bom ano.

 

Abraço

Jorge,
Janeiro de 2009 (em casa e com gripe)